O profissional sem experiência em sua área e o recém-formado podem ser peritos judiciais? 2017-10-19T12:08:23+00:00

SIGA Rui Juliano na PERÍCIA JUDICIAL

Digite o seu e-mail para receber o conteúdo gratuito semanal de Rui Juliano. São e-books, infográficos, newsletter do mais experiente perito judicial.


Por que você deve se cadastrar?

Se a sua intenção é ser bem-sucedido como perito ou assistente técnico na Justiça, o conteúdo gratuito de Rui Juliano é a melhor orientação inicial.

O profissional sem experiência em sua área e o recém-formado podem ser peritos judiciais?

 

Certa vez, um perito com alguma prática me censurou por e-mail, dizendo que eu
não deveria estimular os profissionais sem experiência a serem peritos. Eis a questão
que coloco aqui, porém, com um pouco mais de profundidade. Perguntaria: É indicado
ao recém-formado realizar perícias?
A meu ver, sim. Eu mesmo fui nomeado perito pouco depois da conclusão do curso
de engenharia civil; portanto, sem ter muita experiência em minha profissão. Da mesma
forma ocorreu com um dos consultores do meu livro Manual de Perícias, o economista
Roberto Molina Susini, que começou a ser nomeado perito judicial logo após a sua
formatura, em 1994, e ainda continua sendo.
Podemos pensar que o juiz irá preferir nomear como perito alguém que conheça
profundamente a sua profissão; porém, isso não é elementar. O que o juiz pode desejar é
que o perito conheça a rotina e a burocracia forense na atividade de perícia judicial. É
sabido que profissionais sem esse conhecimento acabam prejudicando o processo, e é
comum encontrarmos aqueles que são paraquedistas, que caem no processo como
perito sem o domínio dos meandros da função, levando o processo, no mínimo, a
protelar-se, sem citarmos outros tipos de danos, até mesmo de extrema relevância…….

Para continuar lendo digite o seu e-mail abaixo:

Desejo receber mais informações sobre perícias judiciais
Cadastrar
Experimente, você pode se desinscrever a qualquer momento.
close-link